Cheia de cultura (parte 1).

Depois de um curso muuuuito puxado, divertido e inspirador, era praticamente obrigação ficar em Paris mais uma semana para conhecer a parte turística. Ops, quer dizer, cultural. Não é novidade que aquela cidade é quase sinônimo de arte e história, e eu, como eterna amante de ambos estava me coçando toda para passar horas passeando entre esculturas, pinturas e monumentos (também me coçava por causa dos mosquitos, mas essa é outra história).

Nos primeiros dias da semana fui com amigos na Catedral de Sacre Coeur e na famosa loja de departamento Galerie Laffayete. Depois que todos foram embora aproveitei para me jogar de cabeça nos museus. Coloquei no meu roteiro aqueles have-to-see-it como Louvre e Versailles, acrescentei dicas de amigos como o Pompidou e Orsay e até um achado do destino como o Quai Branly. Foram 4 museus em 3 dias (sendo que no Louvre e Pompidou fui 2 vezes, por causa da falta de fotos no primeiro dia) e Versailles em 1 dia. Foi cansativo, meu pé doeu (muito!) mas faria tudo de novo sem pensar duas vezes.

Catedral de Sacre Coeuri

Galerie Laffayete (e loja da Apple)

Louvre


(continua no próxiimo post)

Anúncios

Finalmente Paris!

Calma, calma, calma. Juro que tenho uma boa explicação para o meu sumiço: acabei de terminar duas semanas de MUITO trabalho, MUITA coisa para descobrir e MUITOS lugares para explorar… tanta coisa que quando eu chego em casa a última coisa que quero fazer é pensar rs. Todas as aulas na faculdade, os passeios logo depois e os ensaios quando chego em casa tiram as minhas forças… mas de um jeito muuuuito bom!

Já nadei no chão na aula de Acting, dei uma passadinha no Champs-Élysées, chorei na aula de Acting for Film (de mentirinha rs), vi o Arco do Triunfo bem de pertinho, participei de uma festa muito louca (parte da história de um curta), fiquei impressionada com o tamanho do Grand Palais e da Notre Dame, fui uma assaltante com medo de tudo (de mentirinha rs), fiz pique nique no pé da Torre Eiffel, apresentei um monólogo na frente de quase 40 pessoas, aprendi a andar no metrô em 20 minutos, passei na frente do Moulin Rouge, aprendi a “lutar” com espadas de esgrima, conheci muitas pessoas incríveis que vou querer levar na memória para sempre, comi e bebi muito pão, queijo e vinho (balanceados na salada, claro rs), fiz um pique nique na beira do Sena, larguei o albergue e me mudei para um apartmento bem fofo com uma amiga do curso, fui um padre em um exorcismo (de mentirinha rs), comprei muitas roupas liiiiindas de morrer, comecei a “colecionar” presentes para os melhores pais do mundo e até dei uma de modelo maluca querendo arranjar emprego (também de mentirinha haha).

E chorei, como eu chorei. De verdade mesmo! Vendo o Grand Palais, o Arco do Triunfo, a Torre Eiffel, e até quando estava lá no vôo dia 25 de junho, eu estava ansiosa demais para conter as lágrimas de alegria. Às vezes eu me deparo pensando: Será que eu tô aqui mesmo? Em Paris? Na cidade mais linda do mundo? Mas é só dar uma espiadinha pela janela, ou ouvir alguém passando vomitando aquele frânces maravilhoso que eu lembro rapidinho que sim, estou em Paris. Ainda é díficil entender que tudo o que eu pensei durante os últimos cinco meses realmente se tornou realidade. E como estou feliz! MUITO FELIZ.

Ainda tem muita coisas para acontecer e assim quando eu tiver mais tempo e mais novidades (ou quando meu daddy me cobrar bastante rs) eu passo por aqui, para falar mais um pouquinho em como tudo é tão gostoso e para deixar mais fotos 🙂 AOS MEUS PAIS, à minha família e aos meus amigos de coração um beijo 10 vezes mais intenso do que as luzes da Torre Eiffel.